quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Uma culpa estranha

'Mas o que lhe dizer? Que o que está acontecendo com ele é conseqüência de sua atitude? Isso ele já sabe. Que me sinto um pouco culpado por não ter falado o bastante com ele (quando ainda era tempo de falar e não engolir as palavras) para convencê-lo a não seguir esse caminho? Isso talvez ele não saiba conscientemente, mas talvez imagine. Também deve imaginar que, mesmo que ele e eu tivéssemos tido todas essas discussões em profundidade, ele teria seguido o caminho que definitivamente escolheu de qualquer maneira.'

Nenhum comentário:

Postar um comentário

no comments today